Medidas Antropométricas



 O que realmente significa o peso que você vê quando se pesa na balança?

Em relação à saúde em geral, o peso não é mais importante que a composição desse peso. É mais importante estarmos cientes de nossa composição corporal do que simplesmente sabermos quanto estamos pesando. Pisar em uma balança somente nos diz o peso combinado de todos os tecidos do nosso corpo. Esse peso pode variar ao longo do dia, dependendo da hora do dia, estado de hidratação ou o que você está gastando. Por outro lado, a composição corporal, revela as proporções relativas de gordura e massa magra do corpo. A peso de gordura consiste em dois tipos de gordura: gordura essencial e não essencial. O segundo componente da composição corporal, a massa magra, refere-se aos ossos, tecidos, órgãos e músculos.

Gordura Essencial é a quantidade mínima de gordura necessária para a função fisiológica normal. Para o sexo masculino e feminino, os valores de gordura essenciais considerados normais, são de 3% e 12%, respectivamente. 
A gordura acima do valor mínimo é considerada como gordura não essencial. Os valores normais de gordura corporal são de 10-22% para os homens e para as mulheres 20-32 %, sendo assim, satisfatórios para uma boa saúde.

Com a composição corporal dentro da faixa recomendada, acredita-se, que os indivíduos apresentam menor risco de desenvolverem doenças relacionadas à obesidade, como diabetes, pressão alta, e até mesmo alguns tipos de câncer. 
Também é considerado um conjunto de riscos, quando a gordura corporal é muito baixa. Sendo que, valores abaixo dos níveis recomendados para o mínimo de gordura essencial, afetam negativamente o fornecimento de vitaminas para os órgãos, a capacidade de funcionamento do sistema reprodutivo, e o bem-estar geral.

E como se determina a composição corporal? 
A composição corporal pode ser estimada através de várias técnicas de testes baseados em estudos, necessitando apenas de alguns equipamentos de medição e um técnico treinado. Os métodos mais comuns de exploração dos níveis de adiposidade incluem índice de massa corporal (IMC), circunferência da cintura, dobras cutâneas, bioimpedância elétrica, etc. 

Duas técnicas que não avaliam a porcentagem de gordura corporal, mas que podem ser úteis são o IMC e a circunferência da cintura.

O IMC é utilizado para avaliar o peso em relação à altura e é calculado dividindo o peso em quilogramas (kg) pela altura em metros quadrados (kg/m2). Um IMC de 25 ou superior é classificado como excesso de peso, enquanto um IMC de 30 ou superior é classificado como obesidade. O IMC pode dar ao indivíduo uma ideia geral de aumento do risco de problemas de saúde relacionados com a obesidade, mas somente o IMC não define a composição desse peso.

 A medição da circunferência da cintura proporciona uma visão quanto ao aumento do risco para desenvolvimento de doenças relacionadas com a obesidade, devido à localização do excesso de gordura. A circunferência da cintura pode ser medida através da colocação de uma fita métrica em torno da menor parte entre a última costela inferior e o quadril, a cintura. A circunferência da cintura deve ser igual ou inferior a 94 cm para homens e 80 cm para mulheres. Valores acima de 94 cm para homens e 80 cm para mulheres classificam-se como obesidade androide, que é o excesso de peso localizado na área do tronco, indicando um risco aumentado para o desenvolvimento de hipertensão arterial, síndrome metabólica, diabetes tipo 2, colesterol alto, doença arterial coronariana e morte prematura.

O percentual de gordura corporal pode ser estimado através de várias técnicas, algumas simples, enquanto outras mais complexas. 

Uma técnica bastante simples para determinar o percentual de gordura corporal é a de medidas de dobras cutâneas e pode ser estimada utilizando compassos de calibre para medir a espessura das dobras cutâneas em vários locais do corpo.  A soma das dobras feita em vários pontos do corpo pode, então, ser convertida para cálculo de percentagem de gordura corporal. Esta técnica é bastante rápida e precisa e também apresenta uma melhor relação custo x benefício, pois não demanda de maiores preparações para a coleta das medidas. No entanto, é importante encontrar um técnico treinado para fazer as medições. Estes técnicos não só serão capazes de fazer avaliações precisas, como também serão capazes de explicar os resultados para os avaliados, pois, se as medidas não são forem realizadas corretamente ou uma fórmula incorreta for aplicada, os valores podem resultar errados.

O que você pode fazer com seus resultados? Os resultados da sua avaliação da composição corporal podem ser usados para identificar os riscos, personalizar o seu programa de exercícios ou avaliar quão bem o seu exercício atual e programa de nutrição estão funcionando para você.  Se você identificar que está dentro de uma faixa saudável, continue o seu exercício e comportamentos alimentar. Se você identificar que a sua composição corporal tem espaço para melhorias, dê uma olhada no que você pode fazer para fazer mudanças positivas para o seu nível atual de atividade e dieta. Use mais do que apenas a balança para avaliar a composição corporal. Lembre-se, é possível, que o peso na balança permaneça constante, mas a gordura corporal e a massa magra experimentam alterações em suas composições. Mudanças na composição corporal demandam de tempo e esforço dedicado, mas o impacto positivo sobre a saúde e qualidade de vida, vale a pena o esforço. Atividade física regular junto a uma dieta saudável e equilibrada e o monitoramento da composição corporal é a chave para manter e alcançar uma qualidade de vida saudável.